terça-feira, 18 de agosto de 2009

Prazer anal – como obter (parte II)


.................................................................................

Praticando sexo anal


Iniciando =

Como já dissemos, não basta só “chegar e meter”, sem nenhum conhecimento. É bom que os parceiros já saibam como é ser penetrado no ânus, e para isso se aconselha que, desde bem jovens, pratiquem a auto-penetração, como complemento à masturbação convencional.

Começando pelo básico:

ABUSE do GEL lubrificante – não se machuque à toa.

Farta munição de CAMISINHAS.

Espera-se também que, antes de transar, já tenham feito a devida higiene interna (abordamos isso detalhadamente na seção Higiene para o sexo anal), a menos que não se importem de haver contato, durante a relação, com os resíduos de fezes normalmente presentes dentro do intestino (um motivo a mais para usarem a camisinha, embora haja muitíssimos).

E lembrando pela bilionééésima vez daquilo que quase todos esquecem: tirar todo o ar da ponta da camisinha, pra evitar que ela estoure depois – básico...

Para o começo da penetração, há várias opções: pode ser as “3 etapas” da penetração (mencionadas no Engano 3 do fator Dor e desconforto no sexo anal, parte I), ou abrir o ânus com os dedos, com a língua, ou um objeto qualquer; ou o tal “movimento contrário” do ânus – assim que o pênis começa a entrar, o passivo faz força para fora, com o ânus, como se estivesse defecando, e daí o membro entra fácil e sem maiores empecilhos (apesar de parecer que vai acontecer o contrário). Assim que ele sair (parcialmente), volta-se a contrair o ânus. E assim, sucessivamente.

Claro que, nesse caso, à medida que o ritmo do vai-e-vem for ficando mais intenso, já não será mais possível para o ânus acompanhar o vai-e-vem com o “engole-encolhe”. Mas isso nem será mais necessário então, porque cada um seguirá seu próprio ritmo – já foi feito o devido “ajuste”.


Posições =

Há várias; muitas excelentes, mas algumas só interessantes no imaginário pornográfico. As “clássicas” são 6: a de quatro, a de bruços, a de pé, a de cócoras, a de lado e a de “frango-assado”. Mas também há as “híbridas” (fusão entre uma e outra) e muitas variações. Mas isso já é para um estudo mais avançado; aqui nos deteremos só no básico.

Em todos os casos, é bom sempre lembrar que a direção do canal retal acompanha a redondeza da bunda, paralela à extremidade final da coluna vertebral, não atravessando o corpo retilineamente. O estímulo do lado oposto, onde fica a próstata, é feito indiretamente, com o corpo de pênis, mais do que com a extremidade, e sempre cuidando para não bater de frente na bexiga, situada mais adiante que a próstata e que, ao contrário desta, não costuma suportar a mesma pressão. Cuidado, portanto.

* Sentar no pênis, agachado, é o que mais se aconselha aos principiantes. É o modo mais simples, no qual o passivo é quem faz o movimento e comanda a transa, controlando a intensidade das “estocadas”. É bom para o ativo poder descansar um pouco, também.

* A transa de pé é ideal para lugares inóspitos, ou na falta de um leito.

* A vantagem da posição de quatro ou “cachorrinho’’ é que ambos podem se movimentar mais livremente.

* Na transa de lado ou “pombinha baleada”, há um certo igualitarismo, sem reminiscências a um papel “subjugador”.

* Já a de bruços, com ambos deitados de barriga, é recomendada para os passivos que querem sentir todo o peso do corpo do ativo. Este pode também agarrar seu parceiro pelos lados do corpo, puxando-o para si – é bem excitante. (É bom deixar um ou dois travesseiros embaixo do corpo, para deixar a bunda bem empinada e acessível) Mas o passivo terá dificuldade de se masturbar, caso não se contente apenas com o prazer anal. Poderá, então, recorrer à fricção da colcha ou esperar pelo orgasmo indireto (ver mais adiante), se tiver tal capacidade.

* É na posição “frango-assado” ou “papai-e-mamãe gay” que o estímulo da próstata geralmente é feito com mais eficiência: com ambos os parceiros de frente um para o outro, o corpo do passivo pode se dobrar bastante, e a região da próstata ficará mais exposta, vulnerável. A tendência do ativo será sempre estimular esta parte – as sensações mais intensas serão, assim, na região atrás do períneo (o espaço entre o “saco” e o ânus). O prazer pode ser enorme!


Troca-troca =

E se ambos quiserem “dar e receber”? Bem, aí recomenda-se que a troca de papéis seja realizada antes da parte do “clímax” – é melhor que ninguém ainda tenha tido orgasmo. Se pintar um orgasmo em alguém, é melhor que a parte das penetrações neste alguém seja suspensa por um longo tempo, mesmo se não houve a troca de papéis. Explica-se: como já vimos antes (Dor e desconforto no sexo anal, parte II – Engano 4), há sempre um grande esforço dos músculos que envolvem a próstata durante o orgasmo, para liberar o esperma, e na seqüência o reto fica “cansado” e contraído, podendo doer ao ser penetrado, o que, somando ao fato de o indivíduo ter perdido momentaneamente a excitação, causará considerável desconforto durante o papel passivo, mesmo que algum ligeiro prazer anal ainda possa persistir. Se bem que, após uma meia hora ou menos, a pessoa possa voltar à excitação, é mais recomendável que faça o papel ativo novamente, porque a bunda ainda estará toda contraída por dentro, por causa do orgasmo anterior. E não convém judiar da próstata.

Essa velha história de “eu dei por último e não consegui sentir prazer no cu” tem que acabar! Basta que se controle a chegada dos orgasmos ou que se tenha paciência para fazer pausas entre as etapas do lovemaking e já se estará resolvendo este grande problema da humanidade...


Orgasmo indireto por estímulo combinado =

Sabemos de casos (embora raros) em que o passivo chega a ter orgasmo e ejacular sem sequer ter tocado em seu pênis. Ao que tudo indica, isto ocorre porque a base interna do pênis recebe as vibrações de prazer vindas da região da próstata, tendo sido esta região muito estimulada pelo pênis do parceiro ativo. É provável que este fenômeno, denominado “orgasmo indireto”, seja da mesma natureza da dita ejaculação precoce (quando às vezes basta endurecer para ejacular). Mas, para quem gostar disso e souber se controlar para não ter orgasmo rápido demais, é uma boa pedida.

O prazer anal terá de ser enorme para permitir tal façanha; mas, é preciso dizer: o gozo do pênis, em si, nesses casos, quase sempre não será muito grande, às vezes quase imperceptível – porque será sobrepujado pela sensação anal, que predominará. Não se pode falar de um “prazer duplicado”, portanto, em sentido literal. A sensação “total” no pênis geralmente costuma ser sentida quando as atenções da mente e do corpo não estão simultaneamente voltadas ao que ocorre na região anal.


Orgasmo simultâneo, controle de orgasmos =

Para os parceiros terem orgasmo ao mesmo tempo, recomenda-se fazer pequenas interrupções na transa, ou, antes, no ritmo dela, toda vez que alguém sentir que o orgasmo está se aproximando. E que a masturbação do passivo seja bem leve, só para complementar a sensação no ânus – e não o contrário. Mas é claro que “interrupções” não significa que cada um tenha de virar a cara um para o outro! Sejamos criativos, ok? Carinhos, carinhos e carinhos...

Justamente para a transa não ser curta demais, ela não deve ser feita numa única seqüência e num único ritmo. Muitas coisas podem acontecer – é só usar a imaginação!

Deve-se ainda cogitar o imprevisto de surgir um orgasmo indireto repentino, caso o passivo tenha propensão a isso. É uma questão de comunicação.

O sexo oral pode servir como “interrupção”, mas aí cabe observar que na maioria das vezes são justamente as “chupadas” que fazem a transa terminar rápido. Assim, com o mesmo intuito de “interromper” pode-se recorrer também à penetração, se o sexo oral igualmente ameaçar levar logo ao orgasmo a quem se está chupando. (Abordaremos particularmente o sexo oral em outro estudo.)

Como sugestão de “pausa”, pode-se ainda sugerir o uso de objetos fálicos. Será uma pausa muito bem vinda – aliás, uma pausa que não é uma pausa...

Claro que os parceiros podem também achar chato todo esse “controle” e queiram abrir mão do orgasmo simultâneo; mesmo aí haverá muito a se fazer, tendo-se tempo...


.................................................................................

12 comentários:

  1. Tudo dito aqui ajuda mesmo, se você seguir as dicas, fica bem melhor sua relação =)

    ResponderExcluir
  2. coloquem imagens para ficar melhr de se intender

    ResponderExcluir
  3. Muito bom, sou casado com mulher, mas tive vontade de transar com outro homem - li muito sobre e aqui tirou muitas duvidas o que ajudou muito qdo rolou d'eu ter transado com um amigo, fizemos troca-troca afinal era a primeira ve de ambos, depois de muito rolar - hj o prazer é inigualável. Obrigdo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, que interessante e gostoso. E as esposas não sabem, certo? Meu email - paunocurioso@gmail.com

      Excluir
  4. eu comecei 'a pouco tempo a tranzar sexo anal.nunca tinha tido antes e agora comecei a gostar, é uma delicia ' é mesmo muito bom goso muito e paraece-me que não vou mais parar, tenho 60 anos um poco tarde , mas agora que coneheço o quanto é bom nºao para mais. o meu pareceira tem 36 anos é brasileiro e tem muito tesâo mesmo muito quando tranzamos é sempre 3 vezes e há dias foram 4 uma na boca e 3 no anus

    ResponderExcluir
  5. Adorei seu blog, sou um iniciante tenho apenas 16 anos, e gostei do artigo da ejaculção sem tocar no penis, ja que eu consigo ter. Eu sou passivo e meu namorado tem 19 anos, e sempre que ele me come de frango assado meu penis amlece mas eu sinto tanto prazer que acabo gozando sem tocar no penis e com ele mole!

    ResponderExcluir
  6. Gostei da parte de gozar sem escostar no penis alguem ai com no maximo 16anos para eu esperimentar pois sou novato nessas partes

    ResponderExcluir
  7. Tenho vontade de esperimentar o frango assado mas sou casado e so tranzei quando tinha uns doze anos de idade na epoca um homem que morava pperto da minha casa me levou na conversa me ofereceu dinheiro e doces eu cai na dele e fui penetrado deitado de brucos quando percebi a intencao dele nao pude mais sair pois a posicao de brucos empediu os meus movimentos e ele colocou todo seu pau

    ResponderExcluir
  8. Eu ja fui penetrado de quatro e foi muito bom, mas a pessoa não quer me comer mais o que eu faço??

    ResponderExcluir
  9. Sou casado com mulher e estou cansado de enfiar objetos e me masturbar, quero sentir um penis me penetrar de verdade. sou da regiao sul... meu email é piriquito977@gmail.com

    ResponderExcluir
  10. Adorei o Blog. Pena que não é atualizado mais....

    ResponderExcluir